Bónus de devolução da sua primeira aposta!   Visitar

NBA - Os nossos prognósticos NBA

Prognóstico 1X2

18/11
19:00
NBA
Charlotte Hornets
1 N 2
LA Clippers
18/11 19:00
NBA
Charlotte Hornets
LA Clippers
1 N 2
18/11
19:00
NBA
Orlando Magic
1 N 2
Utah Jazz
18/11 19:00
NBA
Orlando Magic
Utah Jazz
1 N 2
18/11
19:30
NBA
Philadelphia 76ers
1 N 2
Golden State Warriors
18/11 19:30
NBA
Philadelphia 76ers
Golden State Warriors
1 N 2
18/11
19:30
NBA
Atlanta Hawks
1 N 2
Boston Celtics
18/11 19:30
NBA
Atlanta Hawks
Boston Celtics
1 N 2
18/11
20:00
NBA
Memphis Grizzlies
1 N 2
Houston Rockets
18/11 20:00
NBA
Memphis Grizzlies
Houston Rockets
1 N 2
18/11
21:00
NBA
Dallas Mavericks
1 N 2
Milwaukee Bucks
18/11 21:00
NBA
Dallas Mavericks
Milwaukee Bucks
1 N 2
18/11
22:00
NBA
Portland Trail Blazers
1 N 2
Sacramento Kings
18/11 22:00
NBA
Portland Trail Blazers
Sacramento Kings
1 N 2

Todos os nossos prognósticos para acertar as apostas na NBA


Os Warriors noutro planeta?

Pegue nos intratáveis Warriors da temporada passada, e junte-lhes reforços de luxo para obter o cocktail de uma equipa já anunciada como vencedor no próximo mês de Junho. Com uma superioridade insolente na pré-época há menos de um mês, liderados por uma dupla Durant – Curry absolutamente imparável, a franquia californiana soibe manter os seus elementos nucleares (Green, Thompson, Pachulia), mas acima de tudo trazer Nick Young e Omri Casspi. Dois artilheiros que, quando saírem do banco, poderão produzir jogos com 20+ pontos. Um luxo do qual o Golden State poderia abdicar, mas que permite à franquia começar a temporada com mais confiança que os seus rivais.

Quase certos de terminarem top1 a Oeste, graças a um cinco tremendo e um banco incrivelmente recheado, Curry e companheia parecem ter os meios para fazer melhor em relação ao seu balanço histórico da temporada 2015/2016, concluída com 73 triunfos para 9 derrotas. Nesse ano, o campeão em título tinha começado com 24 vitórias consecutivas, antes de bloquear com os Cleveland nos playoffs, ao cabo de uma final (4-3) que jamais será esquecida.

Vimos uma formação muito mais madura durante o exercício anterior, que se contentou de “cumprir” na temporada regular (67v-15d), antes de subir de rendimento logo no arranque dos playoffs. Coroada com 16 vitórias e uma única derrota (frente aos Cavs na final), os homens de Steve Kerr apagaram completamente a desilusão de 2016. Conscientes de que podem marcar a história como a equipa mais dominante de todos os tempos, estes mágicos não vão deixar nada aos seus rivais. Resta saber que estará em medida de interromper a hegemonia dos Golden State?

A cota para a conquista dos Warriors é proposta a 1.62 em Bet

King James rodeou-se com qualidade neste verão

Há Lebron James e os outros. Kyrie Ivring aprendeu isso por experiência própria no seno dos balneários dos Cavs, que pouco a pouco se dissolveu. Não suficientemente bem rodeado para poder estorvar os Warriors na final 2017 (4-1), os Cavaliers abandonaram o melhor playmaker da liga em Boston, em beneficio de Isaiah Thomas. Uma escolha e uma aposta ousada para o campeão destituído, que também registou a chegada de Derrick Rose. Se a ideia era fazer dele um joker, o antigo MVP pode mesmo fazer parte do 5 inicial, relegando Isaiah para o banco. As duas pepitas estão claramente em concorrência, acabando por ser até uma boa novidade.

A estes duas chegadas, juntam-se as de D-Wade e Jae Crowder! O lendário ala de 35 anos reecontra o seu amigo Lebron, com quem conquistou dois troféus (2012, 2013) com a camisa dos do Heat de Miami. Antigo companheiro de Thomas em Boston, o ala dos 13 PPG na última temporada vai passar a integrar o quinteto, ao lado de Kévin Love.

Os Cavaliers vão impressionar a longa distância e parecem estar bem armados para defender o seu território. A sua capacidade em participar pela quarta vez consecutiva numa final NBA vai depender da influência de Derrick Rose e Isaiah Thomas, os dois playmakers. Um dos dois deverá emergir enquanto titular, evitando as lesões. Não se pode substituir Kyrie Ivring tão facilmente, a aposta é ousada. Os Cavs arricara: é o preço a pagar para poder sorrir diante dos Warriors. Temos o sentimento de que foi King Lebron a construir esta equipa à volta dele mesmo, com jogadores que aprecia. O quádruplo MVP sabe que todos jogarão para ele, e assumirá sozinho a responsabilidade de um eventual fracasso. Naquele que parece ser o seu último ano em Ohio, o basquetebolista que se tornou numa lenda sonha em oferecer um novo título aos seus.

Aposte no coroamento dos Cavs a uma quota de 5 em Betclic!

Atrás dos dois monstros, forma-se um quarteto

Já só se vê Golden State a Oeste. Fartos de se verem atropelados logo no arranque dos Playoffs, os Rockets de Houston causar forte impressão, oferecendo-se Chris Paul. Magnifico, mas não suficientemente bem aconpanhado nos Clippers, o playmaker irá formar uma dupla soberba com James Harden. Os dois homens, rodeados de artilheiros, vão divertir-se com todas as defesas da liga. Estamos impacientes por poder ver os Texanos subir de rendimento coletivamente. Resta saber se saberão estar ao mesmo nível defensivamente, eles que apresentavam apenas o 17a balanço (103 pontos sofridos por jogo) em 2016/2017 naquele sector. No papel, Houston está melhor provido que o San Antonio ou ainda OC para esperar chegar à final da conferência. A odd para a conquista dos Texanos está avaliada em 8.50.

Segundo da conferência atrás dos Golden State na última época (61v-21), San Antonio não se pôde defender na final da “West Coast”, por culpa de uma lesão do incrível Kawhi Leonard logo no jogo 1. Se o seu ala mantiver a saúde, SA pode novamente fazer muitos estragos.  Ainda mais quando se sabe que os Texanos trouxeram Rudy Gay, enorme com os Kings, cujas esperanças de enfiar um dia o anel eram inexistentes. Com Gasol, Aldridge, Gay, Green Parrker ou ainda com o inamovível  Ginobili, os Spurs possuem o talento e a experiência. Deverão contar sobre os seus jovens talentos (Dejounte M urray, Bertans, …) para obter aquela dose de impulsividade  necessária à saída do banco. O emblemático Gregg sabe como fazer omeletas. Subestimar o San Antonio (quota de 9.50) é uma erro clássico. Esperamos os Spurs a lutar com Houston e Oklahoma pelo segundo lugar da temporada regular.

Sim, porque o Thunder também entrará na discussão. Já não está o MVP Russel Westbrook para decidir em Oklahoma. O homem que terminou a última temporada em triplo-duplo (31.9 pontos, 10.6 ressaltos, 10.4 passes) terá a companhia de Carmelo Anthony e Paul George. Voluntário, mas demasiado isolado para apontar para o que seja nos Pacers, George  veio para o OKC com a esperança de enfiar um dia o anel. No que a “Melo” diz respeito, uma página foi concluida com os Knicks. Com uma atitude impecável, o ala de 33 anos provou através desta transferência, estar ponto a meter o seu talento ao serviço do coletivo. Oklahoma já não está cá para fazer o show: tratam agora de trazer o título para casa. Para vibrar com o OKC, Betclic prope-lhe uma odd de 15.

A Leste, só Boston pode contestar Cleveland na duração de uma tempoarada regular. Os Celtics acabaram o ano 2016/2017 na primeira posição à rasca, antes de serem martirizados pelo Cleveland nos playoffs (4-1). O que será com o dueto Ivring – Hayward? Os Celtics vão construir à colta dos dois All-Star, apostando tudo no coletivo. Horford com terceiro homem, jovens talentos (Tatum, Green) e vários jogadores cumpridores (Morris, Baynes, …) serão o suficiente para reservar um dos dois lugares do topo. Nos playoffs ficaremos a saber acerca do real potencial destes Celtics!

Milwaukee e Minnesota vão nos alegrar

Gianni Antetokounmpo, este nome diz-lhe alguma coisa? O Grego de origem nigeriana faz a felicidade de Milwaukke. Com apenas 22 anos, parece já estar pronto a entrar na discussão para o MVP. Levados por um “roster” tanto jovem como talentoso, os Bucks vão obrar à volta do seu prodígio. O jogador acenou com 22.9 em média na temporada anterior: quer quebrar a barreira dos 30 em 2017/2018. Atrás do top6 dos favoritos, escolhemos o Milwaukee!

O Minnesota também arranca com um enorme potencial. Os lobos protagonizaram sem dúvida o mercado de transferências mais cabal, registando as chegadas de Jamal Crawford, Jimmy Butler, Taj Gibson e Jeff Teague. Só gente boa para misturar às duas pérolas que são Wiggins e Anthony-Twns. Autor de uma temporada 2016/2017 a uma média de 25 pontos, ano do seus 21 anos, o pivô vai ser uma das atrações da liga. A saída de Rubio (Utah) foi completamente preenchida, numa franquia programada para vencer.  Tal como para os Bucks, os jogos dos Wolves vão valer o seu peso em ouro. Uma epopeia magnifica nos playoffs não é impossível para estas duas franquias ascendentes.

Tampouco esquecemos os Wizards de John Wall. Entre os três melhores playmaker da liga, aquele que se teve de inclinar perante os Celtics na semifinal da conferência vai ser novamente apoiado por Bradley Beal e Maçin Gortat. Washington poderá igualmente contar com o playmaker Tim Frazier (ex Pelicans), única recruta de peso. Não obstante, temos aqui uma equipa perfeitamente competitiva, capaz de criar a surpresa a leste.

Algum apego também para com os Pelicans da Nova Zelândia, que se apresenta esta temporada com o binómio Demarcus Cousins – Anthony Davis. Não deveremos ficar espantados se virmos regularmente os dois monstros a impressionar, logo ao acordar, no momento de tomar conhecimento dos top10 da noite. Se a sua profundeza de banco nos deixa dubitativos, os Pelicanos ficarão logicamente entre os oito melhores a oeste.


Algumas dicas úteis para apostas na NBA

As surpresas na NBA são frequentes e é importante partir da ideia de que tudo pode acontecer. Deve-se ter atenção com vários elementos antes de colocar uma aposta, mas o mais importante é olhar para a dinâmica da equipa. Os resultados das franquias são muitas vezes cíclicos porque depende muito da eficácia no exercícios dos chutos, da confiança do grupo, da motivação, da comunicação na defensiva, e mais globalmente da alquimia entre os jogadores. As dinâmicas levam algum tempo a criar-se, mas também a desfazer-se. É por essa razão que consultar o historial recente é indispensável avant de colocar a aposta.

Também se deve ficar atento às ausências de jogadores importantes. Com o elevado ritmo do calendário, não é raro que alguns jogadores devam descansar para sarar algumas lesões mais ou menos importantes. Como o basquetebol é o desporto coletivo onde a contribuição de um individuo pode ter mais impacto, é indispensável fica atento à lista de jogadores susceptíveis de falhar a próxima partida. Algumas equipas são verdadeiramente dependentes do seu melhor jogador e ter conhecimento de um afastamento de última hora importante, pode permitir beneficiar de quotas imperdíveis. A outra consequência desta cadência infernal é sem dúvida a acumulação do cansaço. Entre uma a duas vezes na temporada, uma equipa deve somar jogos fora de casa, nos quatro cantos do país, num curto lapso de tempo. Os encontros disputados durante estes “road-trips” e os miles percorridos pesam na condição física e na frescura mental dos jogadores.

Algumas equipas ficam a saber muito cedo que não se conseguirão apurar para os playoffs. Contudo, quanto piores forem os resultados de uma equipa, melhor, pois terão mais chances de conseguir um bom draft no final da temporada, e de recuperar um bom jogador. Algumas equipas, ditas em reconstrução, não hesitam em perder voluntariamente uma série de jogos, experimentando algumas táticas, ou dando tempo de jogo a jogadores medíocres. As série negativas depois do All-Star Game de fevereiro são frequentes nas equipas em dificuldade na tabela classificativa. Por exemplo, em 2016, Brooklyn concluiu a sua temporada com 10 derrotas consecutivas, fazendo por exemplo descansar um Brook Lopez em ótima saúde.

Por fim, um dica de início de temporada, que consiste em identificar as equipas que mudaram de treinador durante o verão. Certas franquias com uma identidade de jogo defensivo, transformam completamente o seu perfil sob impulso de um novo técnico que chega com uma nova filosofia, baseada no ataque. Ao contrário, se um proprietário pagou a preço de ouro um novo pivô de perfil defensivo, também pode dar uma indicação. As casas de apostas tendem a basear-se nas estatísticas da temporada anterior para predizer o número de pontos marcados numa partida, mas estas mudanças são tantas oportunidades de apontar a uma aposta do tipo over/under judiciosa.

As estatísticas chave da NBA

Entre os 82 jogos disputados por cada uma das 30 equipas durante a temporada regular, entre 195 e 200 pontos são inscritos em média por encontro. Os confrontos entre dois emblemas ofensivos podem muitas vezes gerar mais de 220 pontos, enquanto que dois conjuntos ofensivamente limitados ou focalizados no aspeto defensivo, ficam muitas vezes abaixo dos 180.

Desde 2000/2001, 10 das 13 equipas coroadas figuravam entre as duas primeiras da respetiva Conferência na temporada regular. Se as surpresas são comuns durante a temporada regular, são de facto raras nos playoffs!

As melhores equipas oscilam entre 65 e 80% de vitórias, enquanto que aquelas na luta para o top8 qualificativo para o Playoffs ficam-se entre 45 e 55. As duas ou três últimas vencem em média um de cada quatro jogos.

Apostar bem na NBA

Avaliar o estado de forma das equipas é muito importante na NBA. Uma franquia pode disputar até 4 partidas por semana e funciona muitas vezes por sequências. Mas é o calendário que deve ser considerado acima de tudo. Uma equipa que se prepara a disputar 6 jogos consecutivos diante dos seus adeptos, poderá trabalhar mais serenamente.

Ao contrário, é fluente ver uma equipa deslocar-se aos quatro cantos dos Estados Unidos num curto espaço de tempo e quebrar tanto mental com fisicamente. Estes “road-trips” são desgastantes para os organismos e acabam geralmente em derrotas. Ver uma grande equipa cair aos pés de uma mais modesta, depois de uma série de jogos disputados longe das suas bases, não é um fenómeno raro.

Cuidado com o calendário das equipas e tente discernir uma eventual falta de motivação! 82 jogos são disputados nos espaço de alguns meses e todas as franquias abordam algumas partidas sem grande vontade. Assiste-se regularmente a grandes surpresas no final de uma temporada regular, ainda mais quando as classificações estão congeladas e que as equipas já estão viradas para os playoffs, ou para as férias.

Por fim, note que as surpresas são escassas durante os playoffs! Os favoritos apresentam finalmente um empenho máximo e não desiludem. Além disso, historicamente, o Campeão NBA fica em 80% das vezes, entre as duas primeiras colocações na temporada regular.

Apresentação da Liga

A NBA é a melhor liga de basquetebol do mundo e é o sonho de qualquer basquetebolista, sejam europeus ou americanos. É composta por trinta equipas, repartidas equitativamente, entre duas Conferências (Est-Oeste). Numa temporada regular, os conjuntos defrontam-se em função da sua proximidade e disputam um total de 82 jogos. Ao cabo desta primeira fase, as oito melhores franquias de cada conferência, desempatadas pela percentagem de vitórias, auqlificam-se para os playoffs.

Na hora destes Payoffs, uma tabela fica estabelecida em cada Conferência em função da classificação. O 1° defronta o 8°, o 2° tem a oposição do 7°, etc. As oposições ficam decididas após uma série de “melhor-de-sete” jogos, e a equipa que acaba na frente do seu adversário na temporada regular, recebe sempre quatro vezes, se a série chega ao seu termo.

Para acabar, a final NBA opõe sempre os vencedor de cada Conferência. Também se disputa através de uma série de “melhor-de-sete” e o emblema que apresenta melhor percentagem de vitórias durante a temporada, beneficia da vantagem do campo, em caso de jogo decisivo. As atuais equipas dominantes na NBA são: os San Antonio Spurs (Duncan, Ginobili, Parker, Leonard, etc…), os Los Angeles Clippers (Grffin, Paul), os Cleveland Cavaliers (Lebron James, Kyrie Ivring), os Oklahoma Thunder (Durant, Westbrook) ou ainda os Chicago Bulls (Rose, Noah).

Os Lakers de L.A ou ainda os Celtcis de Boston podduem um palmarés fora do comum, mas entraram numa fase transitória e ainda não voltaram a encontrar o caminho até ao topo.